Desânimo Literário

Quem nunca sofreu de desânimo na vida que atire a primeira pedra ou o primeiro livro que odeie e estiver por perto! É comum ao ser humano desanimar de vez em quando. O incomum é permanecer no desânimo.
Há vários tipos de desânimos, entretanto, o pior deles para mim é o literário. Quando esse ocorre, ai ai ai ai ai, sai de baixo! Parace até mesmo que o mundo perde a cor, fica sem brilho. Pelo menos para mim que amo ler desde sei lá que idade. 
Não é muito comum ao leitor desanimar, mas às vezes acontece. E isso se dá geralmente por causa de alguns fatores:
√ Devido a leitura de obras ruins, mais de uma em sequência;

#ProjetoClaricese 2018

O ano já começou e a maioria dos blogs já estão a todo vapor. Mas como diz minha mãe: "Você não é a maioria..." rs Brincadeiras a parte, o assunto que venho tratar é sério!
O ano já começou e neste ano de 2018 tem novamente o desafio literário #ProjetoClaricese.
Para quem não conhece este desafio, nele é proposto ao leitor ler um conto da escritora Clarice Lispector por mês. Sim, doze meses na companhia de Clarice!
Este ano, contudo, decidimos inovar! Serão lidos dez contos e dois livros da autora. Os livros serão lidos no mês de julho e de dezembro, meses nos quais a maioria está em época de férias.

Bem-vindo 2018!


Sem retrospectivas ou saudozismos em relação ao ano que se foi. Festejo agora o ano que se inicia. Sei que haverá lutas, conquistas, acertos e desacertos, mas essa é a graça da vida. A monotonia não me interessa. A mesmice me cansa. Que seja luz esse ano que se inicia. Bem-vindo 2018!

por Tay Meneses

A Fuga - Clarice Lispector

A Fuga de Clarice Lispector nos remete mais uma vez ao drama feminino. Aos acertos e desacertos da vida de uma mulher casada há doze anos que um dia decide dar novos rumos à própria vida.
Como o próprio nome do conto sugere, ela foge, contudo, não leva seus planos até o fim.
Olhando assim de primeiro o conto não parece profundo, não parece trazer em suas linhas nada demais. Entretanto, se engana quem pensa assim. Pois a profundidade dele se faz aparente e sem rodeios.
Nele lemos os motivos pelos quais tal mulher decide mudar os rumos da própria vida. Mostra uma mulher subjugada ao marido, assim como eram as mulheres da época. Uma mulher encalhada em um relacionamento que a não faz feliz e que há muito a levou a uma rotina enfadonha e sem perspectivas.
A mulher do conto não possui nome, mas possui características e motivos irrevogáveis. Assim como sonhos de coisas que almeja para sua vida. O que faz com que muitas mulheres acabem se identificando com o enredo, mesmo em dias atuais.
Um conto ótimo para se ler e se refletir sobre a própria vida. Principalmente se você for uma mulher. E ainda mais se estiver se sentindo em uma rotina infinita.
Recomendo a leitura de tal conto. Em cinco minutos ele pode ser lido, não toma muito do tempo do leitor.
Bexitus de tinta e até o próximo post!


por Tay Meneses

Seu Nome Era Morte - Nicholas Vernetti

Um dia, em meio ao tédio, fui verificar as postagens dos grupos do Facebook, dos quais faço parte. Passando pelo feed de um dos grupos li o post de um escritor que questionava se alguém gostaria de resenhar seu livro. Eu, como adoro conhecer novos autores e suas obras além de adorar literatura nacional pensei: por que não!
E eis que aqui estou, trazendo as primeiras impressões sobre tal autor e seu livro. Se você se ateve ao título deste post já sabe sobre quem e o que estou falando, senão esclareço agora. Irei expressar minhas impressões após ter tido contato com a obra Seu Nome Era Morte do escritor nacional Nicholas Vernetti.
Antes que eu seja questionada, não ainda não li a obra toda, estou a lê-la. Mas ainda assim resolvi falar sobre ela, vai que alguém se interessa e corre lá no site da Amazon e a adquiri. E se torna meu parceiro ou parceira de leitura.
Gosto de expressar o que senti e observei ao ter meu primeiro contato com uma determinada obra. Para mim, serve adiante como um parâmetro comparativo em relação à obra como parte e depois como um todo. Pode parecer maluquice mas gosto de fazer isso!

Mas Vai Chover - Clarice Lispector

Já começo dizendo que sei que a maioria dos leitores não gosta de spoiler, mas há certos momentos em que se é impossível fugir deles. E este é o caso, impossível falar do conto Mas Vai Chover de Clarice Lispector sem dar spoilers.
Ao contrário do que muitos fazem, vou começar do fim para o começo. Não vou analisar o conto em ordem linear. Para mim, isto fará mais sentido ao leitor. Não que uma análise linear também não fosse fazer sentido.
A última frase do conto é "Parece que vai chover". Uma frase dita pela personagem principal. Deixando claro que naquele momento ela caiu na real. Tanto no que dizia respeito de seus atos como no que dizia respeito aos atos de seu "amado".

A Criada - Clarice Lispector

Mais uma vez Clarice nos leva a refletir, de modo leve e sutil. No conto a Criada o leitor não terá que usar muita massa cinzenta para entendê-lo. O conto possui sim seus simbolismos, como boa parte dos textos de Lispector, mas nada que denote muito esforço para interpretá-lo.
Neste conto o leitor se depara com a descrição de uma personagem: Eremita. Uma criada que é descrita como tendo uma beleza comum, mas atraente.
O conto gira em torno desta criada que por algum motivo, que somente ela mesma sabe, ela se perde em pensamentos e em mistérios de sua vida. Não é, no entanto, relatado que mistérios são esses e o que ocorreu a ela em sua vida. É dado apenas indícios não muito claros, vagos.

Tipos de Escritores

Se você já tentou escrever um texto literário com certeza se enquadre em um dos perfis abaixo. Pois assim como há diversos tipos de leitores também há diversos tipos de escritores.
Os perfis que descrevo abaixo são baseados em minhas observações, portanto esse post não é uma ciência exata. Você tem todo direito de descordar de mim.
Observando as pessoas a minha volta e refletindo um pouco cheguei a seguinte conclusão, há os escritores que:


Planejam o que vão escrever e seguem a risca seu roteiro de escrita
Esses para mim, são os mais disciplinados. Criam um roteiro de escrita e o seguem a risca.

Planejam, mas abandonam seu roteiro de escrita na metade
Esses até planejam, mas na hora de escrever acabam enveredando com seu enredo por outros caminhos e adeus roteiro de escrita inicial.